terça-feira, 20 de agosto de 2019

A Mudança

Morávamos em um apartamento de dois quartos, mas, depois que a minha mãe quebrou o fêmur, já estávamos usando somente a sala porque ela não queria mais dormir sozinha. Tinha passado da hora de sair de lá! Alguns móveis estavam muito velhos e não valia a pena pagar mais caro para trazer. O valor da mudança depende da quantidade de móveis, então trouxe só o basicão mesmo.  Aqui no apartamento novo fui conseguindo tudo aos poucos. Nas primeiras semanas as roupas ficaram em caixas, uma bagunça!!!! Foi aí que procurando roupeiros usados no OLX, achei uma moça doando um ótimo, bem grande! Teve o frete e o montador, mas isso teria em um novo também. A minha mãe ainda ganhou uma poltrona e uma TV. A nossa era tubo rsrsrs e a imagem estava escura. A cuidadora dela lembrou que tinha uma sobrando na garagem e emprestou por tempo indeterminado. Acho ótimo aproveitar itens que outras pessoas não usam mais, tanto por economia quanto para diminuir o consumismo. A única coisa que deu errado foi comprar micro-ondas usado. Não façam isso! Aprendam com a minha burrice! rs Aos poucos, tudo foi se arrumando. Não dá para ter a casa muito cheia porque gosto do minimalismo e porque precisamos de espaço para passar com a cadeira de rodas. E acreditem, a imagem que escolhi para o post me representa!!!!! Mais um motivo para ter pouca coisa. Fica mais fácil aprender a manter a casa organizada. 

domingo, 18 de agosto de 2019

Morar no Centro

Em setembro faz um ano que me mudei para o Centro. No meu antigo prédio já não havia acessibilidade para a minha mãe, era surreal descer e subir as escadas carregando a cadeira de rodas. Tive a sorte de descobrir que um colega era proprietário de um apartamento pequeno, que estava disponível e mais sorte ainda que não pediu seguro-fiança. Foi só me mudar, sem frescura. Ele não pintou nem colocou piso de luxo, coisas que imobiliárias fazem para roubar cobrar na saída!!!! Estou adorando aqui! Tem apenas uma peça com divisória onde fica o guarda-roupa, banheiro minúsculo e um terraço, que é ótimo para a minha mãe tomar sol e as roupas secam rapidinho em dias quentes. Um medo que eu tinha era de andar alto! O mais alto que morei foi na adolescência, no oitavo andar, mas nem me lembrava. Mas não fico o tempo todo na janela e tem grade. 


Quem mora em bairro, como eu sempre morei, vê o Centro como um local para trabalhar e fazer compras, mas na verdade, o Centro também é um bairro. Tem toda a loucura e correria, sim, mas algumas partes são bem tranquilas. Gostava muito de morar no Auxiliadora, na zona norte, bem arborizado, mas aqui é prático e pertinho do trabalho. Qualidade de vida não tem preço! Fica fácil levar a minha mãe ao posto, até para o trabalho já levei por umas horas. Tem tele-entrega de comida, sem taxa, a qualquer hora, fácil acesso. Só o preço do aluguel que poderia ser um pouco mais baixo, mas nem tudo é perfeito. Sou muito grata por ter conseguido me mudar. 

sábado, 17 de agosto de 2019

Resumo da confusão que virou a minha vida no tempo em que fiquei fora dos blogs.

No início do ano passado a minha mãe quebrou o fêmur. Como ela tem bastante idade, com a internação, virou um bebê. Médicos dizem que é Alzheimer, outros demência não especificada. (Estamos aguardando encaminhamento para os exames, porém pelo SUS, mesmo sendo prioritário, é aqueeeela demora!  E, na verdade, para quem cuida, não faz tanta diferença saber o tipo de demência.) Quando ela já estava caminhando, quebrou o outro fêmur e, ao todo, foram três cirurgias. Agora ela está ótima, mas não pode ficar sozinha. Coisas que eu sequer sabia que existiam, tornaram-se parte da minha rotina: cuidadoras, cama hospitalar, óleo de girassol, fralda geriátrica, absorvente geriátrico, cadeira de banho, colchão piramidal, curatela. Enfim, cada dia você descobre uma coisa nova para comprar e uma obrigação para cumprir. Tudo isso sendo filha única, com horário no trabalho, obrigação de acompanhar dia e noite em internações, superendividada, sem parentes para pedir ajuda. Amigos desapareceram! Pelo menos até o momento, consegui sobreviver!!! Tenho experiências para compartilhar aqui. Não vou ficar falando sobre a doença, pois não sou profissional da área da saúde e tem bastante informação disponível na Internet. O que vou relatar é a peripécia de viver em um país sem leis para quem cuida, que te impõe milhares de deveres, porém sem direitos. Mãe tem licença maternidade, mas e filho único como faz para proporcionar dignidade a um pai/mãe idoso com demência? Também não sei! Ainda em busca de respostas. Além disso, nesse tempo, consegui me mudar para um apartamento menor. Não está muito organizado ainda, mas está ótimo. Também quero compartilhar a experiência de morar no Centro, a poucas quadras do trabalho. Então é isso. Bem-vindos ao meu caos!!!  

Voltei

Depois de um ano sem Internet e sem conseguir comentar muito nos blogs, estou aqui. A ideia inicial era criar um blog novo, mas abri este aqui e percebi que, por mais simples que seja um blog, ele tem história, então é por aqui que vou ficar. Bem-vindos de volta! 

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Desapego Facilita a Vida


Há tempos venho falando que não sirvo para acumuladora! rs Mesmo sendo muito desorganizada, consegui doar e me desfazer de muitos objetos e roupas que não usava, fui fazendo uma limpeza mesmo em casa. Agora, quase chegando o dia da mudança, vejo como isso facilitou a vida. Terei pouca coisa para levar, somente o que preciso. Vai ser uma mudança rápida e econômica. Não vou precisar do caminhão da Granero. rs

domingo, 12 de agosto de 2018

sábado, 24 de fevereiro de 2018

domingo, 14 de janeiro de 2018

Segundo Filme do Ano


120 Batimentos Por Minuto - França, início dos anos 1990. O grupo ativista Act Up está intensificando seus esforços para que a sociedade reconheça a importância da prevenção e do tratamento em relação a Aids, que mata cada vez mais há uma década. Recém-chegado ao grupo, Nathan (Arnaud Valois) logo fica impressionado com a dedicação de Sean (Nahuel Pérez Biscayart) junto ao grupo, apesar de seu estado de saúde delicado. Sinopse do site GNC Cinemas

Quando vi o trailer nas redes sociais, já sabia que ia querer assistir e não demorou para estrear por aqui. Que filme lindo! Tudo é inspirado na realidade da época, com um ótimo elenco, inclusive um dos protagonistas é o argentino Nahuel Pérez Biscayart, bem conhecido pelos filmes e séries argentinos e ultimamente também de outros países. Em alguns momentos é difícil de assistir e triste, porém, ao mesmo tempo, mostra um grupo formado por jovens que lutaram para serem escutados por aqueles que têm o poder de decidir sobre distribuição de remédios e também por mais ações do governo, enfim, é sobre pessoas que fizeram a diferença no mundo. 

sábado, 13 de janeiro de 2018

E a Dieta?

Coloquei esse título, mas, na verdade, não me obrigo mais a fazer dieta. A ideia é melhorar e controlar. E 2018 começou bem. Tudo sob controle. Em novembro farei vários exames. Quero que os resultados sejam ótimos e ainda ver resultados também na balança. Por enquanto é isso.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Primeiro Filme do Ano

Jovem Mulher (França) - Paula decidiu seguir seu companheiro até Paris, após longa ausência. No local, ela acaba sendo deixada por ele após 10 anos de relacionamento. Apesar de tudo, ela não é uma mulher melancólica e nostálgica. Decide permanecer nessa cidade desconhecida, ser engolida por ela, aproveitar tudo o que for possível. Mas sua solidão e encontros fugazes acabam fazendo ela repensar as certezas que possuía - Sinopse do site Itaú Cinemas

Não esperava muito, estava em dúvida, mas fui assistir e simplesmente adorei! É bom começar o ano já acertando na escola do filme. Foi fácil me envolver com a história, afinal já passei por épocas de incertezas, sem pentear os cabelos (rs), sem saber para onde ir, apenas deixando o destino mostrar o caminho e, principalmente, aprendendo com os erros e pagando caro por eles!!! Pode ser que o filme não seja sobre nada disso, mas interpretação é algo pessoal e saí feliz do cinema. A atriz é incrível!

domingo, 31 de dezembro de 2017

sábado, 30 de dezembro de 2017

Último Filme de 2017

Uma ida ao cinema para não perder o costume e para encerrar o ano. O filme escolhido foi Roda Gigante, do Woody Allen. Gostei! Momentos excelentes, que prendem a atenção, personagens interessantes, principalmente o filho da protagonista, mas, mesmo assim, esperava um pouco mais. Ah! A Kate Winslet, que é sempre maravilhosa, aqui está ainda melhor!