domingo, 15 de setembro de 2019

Filmes do Fim de Semana

10 Jours en Or (França) - Não tinha ouvido falar, achei no Netflix e foi uma boa surpresa. Agradável do início ao fim, com temas bem atuais como família, solidão, imigração e personagens interessantes. 
Sinopse: Quando um solteirão é inesperadamente designado para cuidar de um menino de seis anos, os dois embarcam em uma viagem que vai mudar suas vidas

Em Toda Parte (França)- Também não conhecia. Vi o poster e a sinopse e resolvi escolher esse. Muito, mas muito estranho! E deve ser por isso que eu gostei. Diria que em alguns momentos bem corajoso.
Sinopse: Em sessões de aconselhamento com seu terapeuta, Yvan revela histórias de antissemitismo e como é a vida de um judeu na França contemporânea.

La LLamada (Espanha) - Filme espanhol que foi muito comentado e elogiado, dirigido por dois jovens que também se destacam no teatro e na TV. No início parece que vai ser só mais um filme de adolescentes rebeldes em um acampamento, mas surpreende com cenas divertidas, muita música, o tempo passa bem rápido.
Sinopse: Nesta comédia musical, duas garotas rebeldes que adoram música eletrônica têm um encontro com o divino em uma colônia de férias controlada por freiras. 

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Inverno????


Sempre gostei de inverno, mas estou revendo esse meu conceito!!! Não peguei gripe porque a vacina realmente funciona. Antigamente não adiantava para mim, mas no ano passado voltei a tomar e deu certo. Mesmo sem gripe, foram meses de rinite, sinusite, crises de asma. O inverno não combina com o meu sistema respiratório. Ontem fez bastante calor por aqui. A minha mãe ficou feliz porque ganhou sorvete!! Chegou a puxar um senhor no supermercado para contar que ia tomar sorvete! Enfim, já podemos comemorar a aproximação da primavera, pois logo vem o verão e voltaremos a ter motivos para reclamar!!!

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Mi Obra Maestra

Ainda no fim de semana, assisti a outro filme argentino, Mi Obra Maestra. Peguei a dica por aí, nas redes sociais. Dura menos de duas horas, faz passar o tempo bem rápido, envolve e prende a atenção do início ao fim, mesmo sem ter convívio e conhecimento sobre o mundo das exposições, compra e venda de obras de artes. É sobre  um vendedor de obra de artes que, para lucrar,  tenta recuperar a carreira de seu antigo amigo, um pintor rabugento. Apesar de ser bem leve, está repleto de diálogos interessantes, críticas à sociedade moderna e seus valores e conceitos. Os protagonistas são os excelentes Luís Brandoni e Guillermo Francela e ainda tem o espanhol Raúl Arévalo. Fiquei bem feliz por ter encontrado esse filme. 

domingo, 8 de setembro de 2019

Filme do Fim de Semana

Não conhecia o filme Camino a la Paz. Vi no blog Paulamar, da Liliane e fiquei louca para assistir. Adorei! É exatamente o tipo de filme que me agrada. Bem simples, com atuações naturais, que você até esquece que está vendo um filme. Gosto bastante do Rodrigo de la Serna, assisti várias séries que ele fez. Aqui no Brasil ficou conhecido na época de Diários de Motocicleta. Lembro que lá nos inícios dos anos 2000, eu assistia pelo menos dois filmes argentinos por semana. Sempre tinha uma mostra especial em algum cinema de filmes alternativos no Centro, o Festival de Verão de Cinema (bons tempos!) e até o Emule kkkk que trancava o computador, mas dava para descobrir muitas novidades. 


Sinopse: Por uma casualidade, Sebastián (Rodrigo de la Serna) se torna motorista e, depois de muita insistência, aceita levar um idoso muçulmano, com sérios problemas de saúde (Ernesto Suárez) em uma viagem internacional até a Bolívia. O caminho é repleto de acontecimentos inusitados, ensinamentos, lições de vida. Para refletir e sair feliz do cinema, ou, no meu caso, para ficar feliz por ter acesso ao Netflix! 

terça-feira, 27 de agosto de 2019

O Conserto da Janela

Tenho uma janela que não fecha direito. Aparentemente, ela está fechada, mas, olhando bem de perto, dá para notar que há uma fresta. Como em um grupo do Face sempre tem gente oferecendo, solicitando e indicando serviços, perguntei se alguém poderia vir consertar. Entre todos que disponibilizaram seus serviços, escolhi um que disse que estava aqui perto e poderia vir ainda naquela manhã. Ele veio, foi muito educado, não lembro bem o valor, mas acredito que tenha saído uns 30 Reais. Ainda pedi orçamento para arrumar uma pia, mas ficou para depois. Detalhe: a janela não ficou consertada!!!!!!! O orçamento da pia estava bem fora da realidade, tanto é que o marido de uma amiga veio aqui e arrumou em segundos. Passou um tempo e, no mesmo grupo de Face, vi denúncias sobre aquele "profissional". Alguns o denunciaram como picareta. Talvez seja só incompetente mesmo. Então, fica a dica! Consertos só com indicação de conhecidos. Aprendam com o meu erro!!No meu antigo bairro, tinha um senhor que arrumava tudo e conheci por indicação do dono de uma ferragem. Atualmente já existe até aplicativo, com avaliações de usuários. Por enquanto, só sei que continuo precisando arrumar a janela, pois daqui a pouco vem o calor e não suporto que entrem insetos!!

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

AACD

Quero compartilhar uma experiência excelente que tivemos pelo SUS. A parte que realmente funciona! A minha mãe pode caminhar um pouquinho, bem pouquinho mesmo, com alguém segurando, mas, para passeios e consultas precisa da cadeira de rodas. No início aluguei uma, mas a mensalidade é mais de R$100,00. Totalmente inviável manter por muito tempo. Então, comprei uma usada no OLX, mas era dura, pesada para empurrar e já estava se desmanchando. Foi aí que li que ela teria direito de solicitar uma pelo SUS. Perguntei ao médico do posto, ele fez o encaminhamento para o fisiatra (eu nem sabia o que era um fisiatra!!). Em poucos dias estava agendada a consulta na AACD. Levou menos de um mês! O atendimento lá na AACD foi maravilhoso!  Ela passou pelo fisiatra e pela terapeuta ocupacional. Na avaliação, o resultado foi que precisava de cadeira de rodas, cadeira de banho e uma almofada especial. Para as mãos não precisou nada, pois os movimentos estão perfeitos. No mesmo dia já saímos de lá com uma cadeira de rodas novinha, moderna, que desmonta, dá para tirar as rodas para colocar no carro e é bem mais fácil e leve para empurrar. Dois meses depois, chegaram a cadeira de banho e a almofada. Uma almofada inflável, importada, para colocar na poltrona e na própria cadeira de rodas, com a finalidade de evitar feridas. No momento, não conseguiria comprar esses equipamentos, que são essenciais. Gostei muito de ter conhecido a AACD, vi crianças felizes, brincando, certamente muito bem assistidas. Alguma coisa neste país tem que funcionar! Se você alguma vez já colaborou com eles, já doou no Teleton, pode ter certeza de que há retorno e muita gente recebendo um atendimento excelente! Todo mundo que trabalha naquele lugar gosta de ajudar. Apesar de não ser tãããão divulgado, pessoas com deficiência ou dificuldades de locomoção têm direito a uma avaliação e, se necessário, receber a cadeira de rodas pelo SUS. 

domingo, 25 de agosto de 2019

Redes Sociais Para se Desligar das Obrigações

Muita gente diz que nas redes sociais as pessoas postam fotos do que não têm, para se exibir. Isso até existe, mas ninguém é obrigado a seguir. A parte realmente legal dos sites/apps de fotos é valorizar o que temos, pequenas coisas e momentos. Passar pelo menos uns minutos descobrindo fotos no Pinterest, por exemplo, ajuda a ver coisas bonitas, boas ideias. Muitos objetos ou ambientes foram simplesmente transformados, reaproveitados, tudo com muita criatividade e habilidade. Claro que nada substitui uma ida ao teatro ou ao cinema, um jantar com amigos, mas, se naquele momento não dá para sair, uma ótima maneira de relaxar e se desligar das obrigações diárias é ver imagens coloridas e originais. As redes sociais são ótimas para isso. É só saber filtrar o que a gente segue.





sábado, 24 de agosto de 2019

O Que Assistir?

Uma das primeiras medidas de economia, no ano passado, foi cancelar a TV por assinatura. Os canais disponíveis não valem todo aquele preço, mas, mesmo assim, os filmes e a variedade fazem falta e, mesmo quando a programação não é lá uma Brastemp, é ótimo ouvir outros idiomas. Bom, mas o que assistir quando se está sem cabo, sem Internet e com uma pessoa que já não consegue acompanhar o que está vendo? Nada de drama! Um pouco de notícias, é claro, mas principalmente, coisas alegres e coloridas, crianças, paisagens bonitas, receitas, competições. E mais de um ano se passou com TV ligada em insuportáveis programas de auditório, alguns até simpáticos para quem assiste de vez em quando, mas ver todas as semanas fica beeem cansativo, muitos desenhos e Chaves, Roda a Roda Jequiti, novelas infantis e adivinha! Comecei a acompanhar os capítulos de Poliana e a ficar curiosa para ver os capítulos seguintes. Estou aqui assumindo e confessando que assisto Poliana!!!! 


Também muita coisa sobre artesanato e cozinha (sou péssima nos dois!), The Voice Kids, Junior Bake Off, Bake Off Brasil de vez em quando, mas, agora com Internet, as possibilidades aumentaram, mais Youtube, mais música, mais sintonia com o mundo novamente! Ainda tenho o mês grátis de Netflix!
Posted in 

terça-feira, 20 de agosto de 2019

A Mudança

Morávamos em um apartamento de dois quartos, mas, depois que a minha mãe quebrou o fêmur, já estávamos usando somente a sala porque ela não queria mais dormir sozinha. Tinha passado da hora de sair de lá! Alguns móveis estavam muito velhos e não valia a pena pagar mais caro para trazer. O valor da mudança depende da quantidade de móveis, então trouxe só o basicão mesmo.  Aqui no apartamento novo fui conseguindo tudo aos poucos. Nas primeiras semanas as roupas ficaram em caixas, uma bagunça!!!! Foi aí que procurando roupeiros usados no OLX, achei uma moça doando um ótimo, bem grande! Teve o frete e o montador, mas isso teria em um novo também. A minha mãe ainda ganhou uma poltrona e uma TV. A nossa era tubo rsrsrs e a imagem estava escura. A cuidadora dela lembrou que tinha uma sobrando na garagem e emprestou por tempo indeterminado. Acho ótimo aproveitar itens que outras pessoas não usam mais, tanto por economia quanto para diminuir o consumismo. A única coisa que deu errado foi comprar micro-ondas usado. Não façam isso! Aprendam com a minha burrice! rs Aos poucos, tudo foi se arrumando. Não dá para ter a casa muito cheia porque gosto do minimalismo e porque precisamos de espaço para passar com a cadeira de rodas. E acreditem, a imagem que escolhi para o post me representa!!!!! Mais um motivo para ter pouca coisa. Fica mais fácil aprender a manter a casa organizada. 

domingo, 18 de agosto de 2019

Morar no Centro

Em setembro faz um ano que me mudei para o Centro. No meu antigo prédio já não havia acessibilidade para a minha mãe, era surreal descer e subir as escadas carregando a cadeira de rodas. Tive a sorte de descobrir que um colega era proprietário de um apartamento pequeno, que estava disponível e mais sorte ainda que não pediu seguro-fiança. Foi só me mudar, sem frescura. Ele não pintou nem colocou piso de luxo, coisas que imobiliárias fazem para roubar cobrar na saída!!!! Estou adorando aqui! Tem apenas uma peça com divisória onde fica o guarda-roupa, banheiro minúsculo e um terraço, que é ótimo para a minha mãe tomar sol e as roupas secam rapidinho em dias quentes. Um medo que eu tinha era de andar alto! O mais alto que morei foi na adolescência, no oitavo andar, mas nem me lembrava. Mas não fico o tempo todo na janela e tem grade. 


Quem mora em bairro, como eu sempre morei, vê o Centro como um local para trabalhar e fazer compras, mas na verdade, o Centro também é um bairro. Tem toda a loucura e correria, sim, mas algumas partes são bem tranquilas. Gostava muito de morar no Auxiliadora, na zona norte, bem arborizado, mas aqui é prático e pertinho do trabalho. Qualidade de vida não tem preço! Fica fácil levar a minha mãe ao posto, até para o trabalho já levei por umas horas. Tem tele-entrega de comida, sem taxa, a qualquer hora, fácil acesso. Só o preço do aluguel que poderia ser um pouco mais baixo, mas nem tudo é perfeito. Sou muito grata por ter conseguido me mudar. 

sábado, 17 de agosto de 2019

Resumo da confusão que virou a minha vida no tempo em que fiquei fora dos blogs.

No início do ano passado a minha mãe quebrou o fêmur. Como ela tem bastante idade, com a internação, virou um bebê. Médicos dizem que é Alzheimer, outros demência não especificada. (Estamos aguardando encaminhamento para os exames, porém pelo SUS, mesmo sendo prioritário, é aqueeeela demora!  E, na verdade, para quem cuida, não faz tanta diferença saber o tipo de demência.) Quando ela já estava caminhando, quebrou o outro fêmur e, ao todo, foram três cirurgias. Agora ela está ótima, mas não pode ficar sozinha. Coisas que eu sequer sabia que existiam, tornaram-se parte da minha rotina: cuidadoras, cama hospitalar, óleo de girassol, fralda geriátrica, absorvente geriátrico, cadeira de banho, colchão piramidal, curatela. Enfim, cada dia você descobre uma coisa nova para comprar e uma obrigação para cumprir. Tudo isso sendo filha única, com horário no trabalho, obrigação de acompanhar dia e noite em internações, superendividada, sem parentes para pedir ajuda. Amigos desapareceram! Pelo menos até o momento, consegui sobreviver!!! Tenho experiências para compartilhar aqui. Não vou ficar falando sobre a doença, pois não sou profissional da área da saúde e tem bastante informação disponível na Internet. O que vou relatar é a peripécia de viver em um país sem leis para quem cuida, que te impõe milhares de deveres, porém sem direitos. Mãe tem licença maternidade, mas e filho único como faz para proporcionar dignidade a um pai/mãe idoso com demência? Também não sei! Ainda em busca de respostas. Além disso, nesse tempo, consegui me mudar para um apartamento menor. Não está muito organizado ainda, mas está ótimo. Também quero compartilhar a experiência de morar no Centro, a poucas quadras do trabalho. Então é isso. Bem-vindos ao meu caos!!!  

Voltei

Depois de um ano sem Internet e sem conseguir comentar muito nos blogs, estou aqui. A ideia inicial era criar um blog novo, mas abri este aqui e percebi que, por mais simples que seja um blog, ele tem história, então é por aqui que vou ficar. Bem-vindos de volta!